Rolling Stone: review de Expectations

Depois de emprestar sua voz aos sucessos de outros artistas, a cantora lança um impressionante álbum de estréia, cheio de mágoas nostálgicas.

A voz de Bebe Rexha faz um som peculiar e contorcido que pode não ser realmente real. Mas se for, então é loucamente irresistível e, dada a melodia correta, imparável. As curvas de seus gemidos são os ingredientes preciosos em alguns dos maiores sucessos da atualidade, o fator que transformou músicas monótonas como "Back to You", de Louis Tomlinson, e "Meant to Be", da Florida Georgia Line, em ouro.

Mas depois de anos apressando-se nas sombras de outras pessoas como Nicki Minaj, Lil Wayne, David Guetta, G-Eazy e mais (ela também escreveu Eminem e Rihanna em 2013, "Monster"), o primeiro álbum da cantora de 28 anos é para todos. Ela não é mais do que "Giving Tree". E, a julgar pelas letras, Rexha está se sentindo muito irritada. "Maybe I'm just comfortable being sad,", ela canta com um tremor sombrio em "Sad". Como a música e seu título sugerem, Expectations é cheio de músicas sensuais e esbanjamento de problemas de auto-estima.

"I'm A Mess" atualiza o clássico de 1997 da Meredith Brooks "Bitch": "I'm a mess, I'm a loser/ I'm a hater, I'm a user/ I'm a mess for your love it ain't you/ I'm obsessed, I'm embarrassed. " "Don't Get Any Closer" também é difícil para os fãs das divas dos anos 90, prendendo o grito de energia de Gwen Stefani quando ela ameaça compartilhar "all the things I've been hiding" acima do crepitar de uma vitrola que ela está lidando em seu 'sótão de segredos'. No outro lado do 'spectrum', há a vigorosa "Self Control", que é mais parecido com a era Hey Baby de No Doubt, com suas vibrações de dancehall e letras sobre como entrar em uma obsessão: "And I don't mean cigarettes and alcohol", canta Rexha.

Em Expectations, Rexha se coloca como uma heroína presa em uma torre de marfim feita por ela mesmo. Mas os registros agúdos sugerem sensibilidade mais do que vingança. Ela transforma uma balada do tipo Ed Sheeran como "Knees" em uma bomba de desespero, cantando "I'm praying for closed doors and open windows … Don't be scared to leave." Ela se sai ainda melhor em "Ferrari" ao enunciar o inferno de "Mulholland Drive" enquanto ela pisa no acelerador porque "living in the fast lane's getting kind of lonely.". Como Britney Spears, a rainha dos anos noventa, disse em sua própria estréia há 20 anos, a solidão de Rexha está matando-a.


Esta foi uma tradução livre da publicação da revista Rolling Stone.
A publicação original pode ser acompanhada em https://rol.st/2IAgpFI
Todos direitos reservados a Rolling Stone.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.