Bebe Rexha fala sobre críticas sobre letra de Girls para Entertainment Weekly

Na semana passada, o lançamento de “Girls”, de Rita Ora - que inclui Cardi B, Bebe Rexha e Charli XCX - foi antecipado como a “Lady Marmalade” de uma geração. 
Mas quando a música saiu, foi recebida por furor. Alguns membros importantes da comunidade LGBTQ+ na música (notavelmente Hayley Kiyoko e Kehlani) argumentaram que a música era prejudicial e regressiva, com seu verso “vinho tinto, eu só quero beijar garotas” apresentando um clichê sobre a bissexualidade como algo que as mulheres só participam quando se sentem brincalhonas na pista de dança. 
Além disso, a revelação de que seis dos nove escritores eram do sexo masculino causou ainda mais danos a compositores que se identificam como queer, que se sentem excluídos das grandes gravadoras. 

Tanto Rita Ora e Cardi B, desde então, responderam às críticas. Rita twittou uma nota dizendo que a música reflete sua própria “verdade” e é “um relato preciso de uma experiência muito real e honesta em minha vida”. 
Cardi B justificou seu papel na música e twittou que ela tem experiência com “muitas” mulheres. 

Falando à EW hoje cedo, Bebe Rexha - que até agora estava em silêncio sobre o debate - está dividida com essa reação adversa. 
"Minha vida sexual não é da conta de ninguém", diz ela. “Mas nós estamos cantando uma música sobre beijar garotas e isso continua sendo verdade para quem eu sou. É a vida que eu vivo e é honesta para mim.”
Vindo em defesa da música, Rexha, cujo álbum de estréia Expectations será lançado em 22 de junho, foi rápida em afirmar que ela não cantaria em uma música por uma carreira sólida: "Isso seria muito escroto", acrescenta ela. “E eu concordo com o ponto de vista dos críticos [nesse caso]. Todo mundo pode ter sua própria opinião."
A maior questão de Bebe Rexha no debate é que havia um preconceito em relação à sexualidade de todas as quatro mulheres na música. 
Assumiu-se que elas eram heterossexuais, o que seria um problema se os hinos LGBTQ + fossem escritos e cantados por artistas que se identificam como LGBTQ +. 
"A questão de saber se [a música] era verdadeira para nós foi completamente descartada", diz Rexha. “As pessoas automaticamente optaram pelo negativo em vez de dizer: 'Bem, talvez essas garotas beijem garotas, talvez Bebe seja bi'. Você não sabe sobre minha orientação sexual, então eu me senti desrespeitada.” 

Ela continua insistindo que toda a arte dela baseia-se em cenários reais. "Eu beijei garotas, você sabe o que eu quero dizer?", ela diz. "E eu não faço isso porque é divertido ou o que seja. Você tem que ser totalmente lésbica para lançar uma música sobre beijar garotas? E se você é bi? Não é o ponto de ser favorável à comunidade LGBTQ que você pode amar quem você quiser e tudo é fluido e sem julgamento?”

Com isso dito, Rexha admite que as queixas em torno da letra do “vinho tinto” são válidas. "Eu entendo", diz ela. "É escroto. Eu não bebo vinho tinto e digo: 'Eu quero beijar garotas'.”
E como ela reage à noção de que a música é um exemplo da sexualidade feminina sendo cooptada por homens brancos heterossexuais para vender um sucesso comercial no verão? "Isso é apenas algo que concluíram", diz ela. “Se eu ouço uma música e me sinto conectado a ela, é emocionante. Eu sigo o que é bom no meu coração. As pessoas gostam de fazer drama."

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.